sábado, 6 de agosto de 2016

Teoria Geral da Guerra - Poema de Edelvito Almeida do Nascimento

PICASSO, Pablo. Guernica. Pintura a óleo (349×776cm). Madrid: Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia, 1937.



Sangue e terra:
na olaria da morte,
o barro abstrato
(matéria do monumento
erigido ao nada).

Diante do abismo,
o fim diagramado dos mapas
sobre a mesa de generais aquartelados:
cada centímetro noturno
arrastado em mil fios,
entesados e enrodilhados,
dentro da trincheira imersa
no fosso da alma do soldado.

Sangue e terra:
barro nos pares de coturno,
morte emperrando a marcha
com todos os medos sufocados
na garganta do inimigo degolado.



segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Gênese do Dia - Poema de Edelvito Almeida do Nascimento

Cronos Mutilando Urano, por Giorgio Vasari e Gherardi Christofano (século XVI). Palácio Velho, Florença


Hoje, dia de feras,
Procusto me arrasta à sua senda,
estrada de aparar arestas.
Hoje, dia de feras,
sou encarcerado pelo céu
(Urano e seus velhos vícios)
e devorado pelo tempo
(Cronos chorando um blues
na solidão da sua guarita).

Hoje é dia de feras.
E eu, vítima de Minos.
E o fio?
Em algum ponto se perdeu entre feras
Em algum ponto se desfez
E como não ser eu agora
a carne de alimentar os deuses
dragões famintos, febres?

Eu e minhas pernas podres,
eu e o meu pouco fôlego,
eu e minhas doenças,
únicas verdadeiras propriedades.

Eu, fera de mim mesmo,
eu, auto-rei, auto-deus,
autófago, autômato, arauto.


sábado, 23 de julho de 2016

Caronte - Poema de Edelvito Almeida do Nascimento

Litovchenko, Alexander. A Travessia de Caronte. Óleo Sobre Tela. Museu Russo, São Petersburgo


Na primeira vez que vi Caronte,
minha vida pareceu mais acabada.

Mas passadas quase três eternidades,
mirando sua face na saída,

pareceu-me a única amiga
a que eu já tinha observado.

Na terceira vez que Caronte encontrei,
já trazia o coração despedaçado:
nem o cumprimentei, pobre barqueiro.

Paguei e ordenei que atravessasse.
Eu lamentando ter morrido de infarto
e com paixão mandando no meu peito.

Caronte, agora, encontro todo dia:
é porteiro do prédio onde trabalho.

Com bom dia o saúdo logo cedo;
vem trazer o meu jornal todo amassado.
E, ao sair, digo assim, meio com medo:
boa noite, meu barqueiro desgraçado.


Ouça o poema na voz do ator alagoano Chico de Assis:

sábado, 16 de julho de 2016

Jorge de Capadócia - Poema de Edelvito Almeida do Nascimento

Casamento de São Jorge e Sabra. Por Dante Gabriel Rossetti


Jorge de Capadócia
teu ginete pisoteia as medalhas lunares
princesas encouraçadas guiaram dragões
acorrentados aos bailes da paz
e a centúria não teme
atravessar os fogos
de sua garganta


Jorge de Capadócia
foste capaz de inaugurar
a alcova das santas
empunhar tua lança
despedaçar cortinas
e todas elas do céu lançar
sem hímen nem véu


o ferro de teu pé
é que faz a lua girar
e neste aparente ócio
marés se inclinam
e o mundo todo treme
sob tuas armas
Jorge de Capadócia

sábado, 26 de março de 2016

José Inácio Vieira de Melo: melhor autor do Prêmio QUEM 2015




Membro do Grupo Concriz desde sua fundação, escritor, jornalista, e produtor cultural, o alagoano radicado na Bahia José Inácio Vieira de Melo foi o vencedor do Prêmio Quem 2015 na categoria de melhor autor. Na última terça feira (22/03/2016), ele esteve na cerimônia de entrega dos prêmios realizada no Grand Mercure Rio de Janeiro Riocenter.





domingo, 25 de outubro de 2015

Projeto 2 Dedos de Prosa e 1/2 de Versos

O Projeto 2 Dedos de Prosa e 1/2 de Versos proporcionou a comunidade maracaense uma oportunidade única de ter um encontro com o brilhante poeta, Florisvaldo Mattos, autor de diversos livros, e de poemas marcantes como Galope Amarelo e Fábula Cível,o evento contou ainda com momento musical executado por Fernando Macedo (Feu) e recital poético com o Grupo Concriz. o público estava repleto de jovens que aproveitaram o momento pra relaxar antes de enfrentar o segundo dia de provas do ENEM, sendo muitos deles vindos das cidades vizinhas em decorrência da prova. 


Ornamentação
                                                               

Flávia Silva e Ailana Damasceno

Grupo Concriz

Grupo Concriz

Florisvaldo Mattos

Bate- papo com o poeta

Fernando Macedo

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Projeto 2 Dedos de Prosa e 1/2 de Versos



Vem aí a terceira noite do Projeto 2 Dedos de Prosa e 1/2 Dúzia de Versos, que acontecerá dia 24 de outubro, no Auditório Municipal Ivonete Dias. O convidado especial é o poeta, jornalista, membro da Academia de Letras da Bahia - ALB, Florisvaldo Mattos, o momento Musical fica por conta de Fernando Macedo e mais uma vez realizando um recital poético, o Grupo Concriz. O Projeto é realizado por Flávia Silva e Ailana Damasceno e conta com apoio financeiro da FUNCEB, Fundo de Cultura, Secretaria de Cultura, Secretaria da Fazenda e Governo do Estado da Bahia, em parceria com a Prefeitura Municipal de Maracás, SEMEC e Departamento de Cultura.

domingo, 20 de setembro de 2015

Projeto 2 Dedos de Prosa e 1/2 de Versos

A segunda noite do Projeto 2 Dedos de Prosa e 1/2 de Versos foi espetacular, com as presenças VIP's do poeta José Inácio Vieira de Melo que lançou seu 7º livro, o SETE, e momento musical com o cantor Achiles Neto, que vem se destacando em diversos festivais pelo país, inclusive sendo o vencedor do FENAC - 2015, acompanhado do grande músico Marcos Marinho no violão, e ainda com apresentação do Grupo Concriz e Renascer, responsáveis por homenagear o poeta convidado com belíssimos recitais poéticos.


Ornamentação

Flávia Silva e Ailana Damasceno

Grupo Concriz

Grupo Renascer

Grupo Concriz

Grupo Renascer

José Inácio Vieira de Melo

Achiles Neto e Marcos Marinho







quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Projeto 2 Dedos de Prosa e 1/2 de Versos



A segunda noite do Projeto 2 Dedos de Prosa e 1/2 de Versos está chegando, será dia 19 de setembro, e você é nosso convidado. Essa edição conta com a presença do poeta José Inácio Vieira de Melo, lançando o livro SETE, recital poético com os Grupos Concriz e Renascer, das cidades de Maracás e Planaltino respectivamente e apresentação musical mais que especial do filho da terra, Achiles Neto, vencedor do FENAC 2015, acompanhado por Marcos Marinho no Violão. 

domingo, 16 de agosto de 2015

Projeto 2 Dedos de Prosa e 1/2 de Versos

O Auditório Municipal Ivonete Dias, na cidade de Maracás, recebeu a primeira noite do Projeto 2 Dedos de prosa e 1/2 dúzia de Versos. O evento contou com apresentação musical de Julio Lucas e Amauri Lima, recital poético do Grupo Concriz e a presença especial do escritor Carlos Ribeiro, da cidade de Salvador. Nós do Grupo Concriz, agradecemos e congratulamos Flávia Silva e Ailana Damasceno pela realização desse belíssimo projeto. Muito em breve acontecerá a segunda noite. 


Auditório Municipal Ivonete Dias

Grupo Concriz


Carlos Ribeiro

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Projeto 2 Dedos de Prosa e 1/2 de Versos



Vem aí mais um projeto literário com a participação do Grupo Concriz, o novo projeto é inspirado no Uma Prosa Sobre Versos, que aconteceu na cidade de Maracás entre os anos de 2008 a 2014, e contou com a presença de grandes nomes da poesia baiana e nacional. A estréia do Projeto 2 Dedos de Prosa e 1/2 Dúzia de Versos acontece no dia 15 de agosto, e nós do Grupo Concriz, convidamos todos vocês para essa noite com muita musica e literatura. Além do recital poético realizado pelo grupo, teremos a honra de dividir o palco com o escritor, professor e membro da Academia Baiana de Letras - ABL, Carlos Ribeiro e com Júlio Lucas, responsável pelo momento musical.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Projeto O Concriz Vai à Feira - Maracás


Aconteceu no dia 15 de fevereiro, na feira livre de Maracás, o projeto O Concriz Vai à Feira, com recital de cordéis realizados pelos Grupos Concriz e Xamai, momento musical com Edelvito Nascimento, Leandro (Léleo), e ao fim uma toada de autoria própria apresentada por Tôi Galvão. Está previsto a realização do projeto no dia 22 na cidade de Planaltino. O Concriz Vai à Feira tem o apoio financeiro do Estado da Bahia, Secretaria de Cultura – SECULT e Fundação Cultural do Estado da Bahia – FUNCEB através dos editais do Fundo Estadual de Cultura.


Motivo

Eu canto porque o instante existe

e a minha vida está completa.

Não sou alegre nem sou triste:

sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,

não sinto gozo nem tormento.

Atravesso noites e dias

no vento.

Se desmorono ou se edifico,

se permaneço ou me desfaço,

— não sei, não sei. Não sei se fico

ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.

Tem sangue eterno a asa ritmada.

E um dia sei que estarei mudo:

— mais nada.

Cecília Meireles